Qual é a diferença entre os bem-sucedidos e você?

01 de Maio de 2019

Todos nós já desejamos realizar alguma coisa que nunca se concretizou. Talvez você queira abrir um negócio, escrever um livro, ou simplesmente emagrecer.

Vira e mexe eu conheço alguém bem-sucedido, seja lendo um livro, no Youtube, ou pessoalmente e penso:

Qual é a diferença entre ele e eu?

Talvez você não tenha usado essa frase, mas já deve ter pensado algo semelhante. Uma noite dessas, enquanto lia uma biografia, fiz essa pergunta novamente, mas nessa noite em particular, tive uma revelação. Eu segui com outra pergunta:

Por que estou procurando diferenças quando, intrinsecamente, não existem diferenças reais?

Não se trata de cérebros ou músculos, capital ou engenhosidade. Pelo contrário, era uma questão de fazer as coisas - apenas fazer alguma coisa. Qualquer coisa!

Muitas vezes tem sido a natureza dos livros de negócios e dos psicólogos pop ganharem seus milhões com inúmeras ​​divagações sobre o que faz do sucesso um sucesso. Em outras palavras, a maior parte da literatura sobre “sucesso” coloca o dedo nos nossos narizes e nos culpam por termos valores e hábitos errados, ao invés de nos mostrar o que realmente importa: Ação!

Tenho uma paixão pela leitura de biografias de pessoas históricas ou de sucesso. Em todas as biografias que li, sempre houve um elemento comum: todas elas são loucas. Quando digo louco, quero dizer que eles colocam seus objetivos acima de tudo.

O Steve Jobs, com apenas 16 anos de idade, não hesitava em ligar para presidentes de multinacionais para pedir qualquer coisa que ele precisasse. E o pior, na maioria das vezes ele conseguia o que queria.

Quando digo loucos, digo que todos eles eram majestosamente falhos de uma maneira - ou de várias. Mas eles não tinham medo, continuavam agindo em direção ao sucesso.

Acontece que esse é o fator decisivo: fazer o que se quer fazer. Não há preparação, treinamento ou auto-aperfeiçoamento necessário.

Qual seria o tamanho da Microsoft hoje se Bill Gates simplesmente pensasse que ele era pequeno de mais para fechar um negócio com a gigante IBM? Ele nem tinha o produto ainda! Sua ousadia lhe rendeu bilhões.

Conhecimento só é poder se colocado em prática

Não escrevo isso como uma justificativa para todos os nossos vícios e pontos fracos.

Eu escrevo isso para as pessoas que tem medo de começar a agir, e ficam anos e anos se preparando, até estarem prontos para iniciarem seus projetos.

Frequentemente, falo com pessoas que lêem continuamente os livros de auto-ajuda, participam de inúmeros seminários e sempre tem um novo plano. “Li o livro do fulano, fui na palestra do ciclano, estive na assinatura do livro do Beltrano em Nova York no mês passado.” E a ladainha continua “ad nauseum.”

O negócio é que essas pessoas não são felizes, realizadas ou bem-sucedidas. Mas esses seminários e livros fazem essas pessoas felizes?

Sim, como o crack faz um viciado em drogas feliz. A pessoa acha que ao fazer isso, está fazendo alguma coisa. Porém, não está fazendo nada!

Chega um momento em que a pessoa precisa perceber que não é necessário ser completamente organizada, ser um orador polido, muito menos, ser uma pessoa sem falhas.

Em vez de estudar os livros, elas devem pegar o que aprenderam e aplicá-lo à vida real trabalhando para a realização de seus sonhos. Se não nos próprios sonhos, então em alguma coisa - qualquer coisa!

Como Charles F. Haanel escreveu:

“Você deve primeiro ter o conhecimento do seu poder; segundo, a coragem de ousar; terceiro, a fé para fazer.”

Não há diferenças reais entre nós e eles. As “diferenças” que certas pessoas fazem. Fazem sem medo, até a exaustão. Fazem até chagarem ao fundo do posso e se reerguerem. Eu posso ter sido um pouco apressado quando disse que não há diferenças, mas há uma:

Os bem-sucedidos sabem que são falhos, mas simplesmente não se importam.

Eles não tem medo de errar! Eles apenas agem! O que você está esperando?